DESTAQUES
POSTAGENS

O Veterano - Part. 2


Boa noite Meus caros, assim como dito... Promessa de Urso é Dívida e a de um urso como eu, é uma Honra narrar a continuação de "O Veterano".
Tenham uma ótima Leitura.


Se Você não Leu a Parte 1 é só clicar aqui 




Fiquei horas pensando no “meu” que o Wudson me disse. Nem preciso dizer que a noite foi em claro, pois ele parecia que queria algo mais do que só amizade... Mas eu estava meio cego, querendo acreditar nisso: será que era verdade? Ou ele com aquele jeitão folgado, mandão, super protetor, estava só declarando que eu era “oficialmente” um dos seus amigos?
Não sei, só sei que fui dormir – mas não muito feliz.
No dia seguinte o avisto na Universidade e percebo que ele vem em minha direção, com aquela cara séria e jeito marrento, mas por dentro ... um doce. Ele olha pra mim e com um sorriso tímido, as mãos no bolso, ele me fala:

- Aew Calouro, eu tô precisando de um parceiro pra fazer academia, o meu antigo mano mudou de horário e sem alguém pra me regular, viro um gordo de vez, HAHAHAHA...
Ele falou tudo isso e eu só prestei atenção em seu sorriso e sua risada.
- E aí? Tá afim? Tu também precisa perder essa barriguinha (ele aproveitou a deixa e me apertou as benditas “gorduras”. Quer ou não quer arranjar alguém decente? E, além disso, precisa cuidar da saúde também ou vai ficar daquele jeito ali (me aponta uma criatura que é ele e eu juntos, num único corpo). Se não se cuidar vai acabar ficando como ela e com ela.
- AQUILO é uma mulher?
Ele faz uma cara de dúvida e sarcasmo.
-Deveria ser. Hahahaha. Se lembre, Calouro: Amanhã as 7, te pego em casa, minha academia é no meio do caminho para cá então você é caminho. Não se esqueça.
Ele falou tudo isso com o dedo em riste, como se estivesse falando com um filhote e isso me enervou, bateu em meu ombro e passou por mim, sem nem me dar direito a responder, era bem o estilo dele, jogar na sua cara o que ele quer e pronto, ele tomava como aceito e ia embora todo feliz, com seu rebolado involuntário, por causa daquela bunda enorme e redondinha que habitava meus sonhos. Dei uns tapinhas na cara, agora não era hora de divagar, tinha sido “convidado” para ficar sarado, eu que não ia perder a oportunidade de ver o Wudson de shortinho e camisa regata, com a roupa toda colada no corpo de tão suado.
No dia seguinte estava pronto as 6h30  e esperei o infeliz até as 7h30, quando ele me aparece no seu carro com a cara mais deslavada do mundo e um sorriso cretino, me pedindo desculpas por ter se atrasado, me disse que o motivo do atraso foi por que caiu no truque da soneca e de 5 em 5 minutos foram-se quase 40 minutos. Apesar de estar puto com o atraso eu entrei no carro do mesmo jeito, mas eu iria matar o urso de remorso, minha mente maligna entrou em ação e eu sabia da necessidade que ele tinha de aparecer, ser o centro de tudo, afinal grande daquele jeito quem não notaria. Foi então que eu dei início ao meu plano malévolo e lhe dei um gelo, daqueles que você nota que a nuvem se mexeu, mas ignora a escola de samba do seu lado.
Ao chegarmos à academia, que era muito bem estruturada por sinal, fui direto para a esteira e mantive o gelo. Aproveitei do silencio entre nós para olhar melhor o ambiente, as paredes eram todas espelhadas, tirando a frente que era uma parede de vidro, como se fosse uma vitrine, com um teto alto e o resto das paredes brancas a academia era um espaço amplo, e bem organizado. Ao todo eu gostei e aproveitei para imaginar tudo que eu "não poderia" fazer ali.

A manhã toda foi um castigo para o Wudson, sem contato visual, respostas curtas e rápidas, chamando o treinador da academia para substitui-lo toda vez que ele oferecia ajuda. Em menos de 30 minutos meu urso (quando comecei a chama-lo de meu?) estava tão down que eu conseguia imaginar suas orelhinhas baixas, mas nem por isso deixei de notar o quanto ele se esforçava para continuar na sua forma, mesmo no ar condicionado ele suava feito um louco, com várias gotas escorrendo da sua testa, pelo rosto redondo e pingando do seu queixo com a eterna barba por fazer.
Academia feita e com o ego restaurado do gelo que tinha lhe dado, parei em frente a um dos espelho/parede da academia e dei uma olhada melhor em mim. O Ursão tinha razão, eu tinha potencial, de coxas grandes e com uma certa quantia de bunda, só precisava dar uma tonificada nos meus braços e peitoral, os ombros largos eu já tinha, apesar de ser mais baixo que o Wudson eu não iria ficar atrás dele a vida toda.  Sai da frente do espelho orgulhoso e me visualizando num futuro não tão distante, me juntei ao urso que tinha terminado sua série também, estávamos ambos suados como se tivéssemos percorrido uma maratona,  não pude deixar de notar que aquele short que ele estava usando colou perfeitamente na bunda, marcando suas nádegas redondas e firmes, a camisa empapada marcava o peitoral e a barriguinha de que ele tanto reclamava, mas não fazia questão de perder... e o que falar daquelas pernas, de coxas e batatas grossas e peludas.

Eu me preparei para sair da academia e estava indo em direção ao carro, pensando no meu (meu de novo?) urso, quando sinto aquela mão no meu ombro, me acordando pra realidade. Me viro e vejo que ele acordou de sua melancolia e voltara a ser o marrento de sempre, me olhando quase em desafio... minha boca estava se abrindo para perguntar o que raios tinha acontecido eu  quando  vejo ele me olhando de cima a baixo, de um modo que me deixou até constrangido. Finalmente meus desejos irão ser atendidos, uma felicidade ia brotando no meu peito e um sorriso surgia nos meus lábios tamanha era a alegria por ele ter demonstrado interesse em mim, até que eu percebi o olhar sério no seu rosto e minha bolha estourou, ele me olhou nos olhos com um sorriso (?) irônico e disse:
- Aonde você pensa que vai molhado que nem pinto na chuva?
- Eu... eeeer... carro?
- Nem que você fosse o Papa você entraria no meu carro pingando a suor, quer impregnar os bancos do carro? Nãm, você tem umas ideias, Calouro. Anda logo, pega tua mochila com tuas coisas que nós vamos tomar banho aqui. DEPOIS de limpinho e cheiroso ai sim... Tu entra no meu carro.
Meu entusiasmo morreu, ele estava preocupado com o carro e a olhada foi de puro deboche. Como um cão enxotado, peguei minha mochila com a roupa extra e ele a dele, juntos fomos pro banheiro da academia. Entrei como se estivesse indo a um funeral, ele, já recuperado do gelo que eu tinha lhe dado, tagarelava alegremente com as paredes, com um sorriso que lhe cortava o rosto... Eu o olhei de novo e descobri que o amava, não importasse como eu queria que ele sorrisse, sempre, pois o seu sorriso era como os primeiros raios de sol numa tempestade, eles me faziam... feliz... me desarmava por completo e foi assim que eu soube que não poderia ficar mal perto dele, desde que ele me sorrisse. Agindo por puro impulso dei um soco no seu braço enorme e saí andando e perdido em seu sorriso, tão embriagado que não prestei atenção ao que ele falava, mas parecia algum tipo de zoação, pois ele sorria e dava de ombros. Voltei a mim e perguntei:




- Qual o motivo da piada?
- Você, ora...
- Posso saber o porquê? (fiz o “porquê” imitando a Gabriela e ele me sorriu de volta)
- Porque hoje eu vou saber se você se garante ou não, Ca-lou-ro.

Dito isso ele entrou no banheiro e eu também, era uma sala até que grande, com alguns bancos, armários, paredes cobertas com um azulejo branco e... duchas... sem... divisórias. Enquanto o desdobramento dos acontecimentos chegava como ondas na praia em minha mente, ele me aparece todo sorridente, NU com uma toalha no ombro:
- Vai tomar banho de roupa, Calouro? Sua mãe não lhe ensinou que pra tomar banho precisa tirar tudo? (e nesse tudo eu senti toda a sua malicia e segundas, terceiras, quartas e quintas intenções).
- Claro que ensinou, afinal, SUA mãe adora me ver assim.
Um cara que estava ouvindo a conversa deu um grito e apontou o dedo pro Wudson e logo ele virou a piada do vestiário; emburrado, ele saiu resmungando pro chuveiro enquanto eu terminava de tirar a roupa.
Cheguei até ele, como cheguei ao mundo, nu em pelo, (não tanto pelo quanto ele, mas nu), foi quando eu percebi o quão lindo ele era, e com um belo pau, não era gigante, mas grosso e com uma veia bem saliente, com a pele cobrindo parte da cabeça, acompanhado de um saco com grandes bolas... ambos, pau e saco, estavam cercados de pelos, assim como o resto do corpo dele: realmente ele era um URSO. Durante o banho nós conversamos besteiras da faculdade, eu emprestei o meu shampoo e condicionador a ele, pois ele esqueceu os dele na pressa. Até que ele começou de novo a implicar comigo.
- É Calouro, realmente você vai ter um trabalho pra perder essa barriga, tá muito maior que a minha, mas não se preocupa não, vindo todo dia e comendo direitinho em 2 meses tá beeeem melhor.
- Não começa Wudson , porque na ultima brincadeira você se deu mal, me deixa tomar meu banho quieto.
- Que isso man? Estava só fazendo um elogio, como eu disse aquela noite, você é bonito, só precisa dar uma melhorada nos braços e no peitoral, perna e bunda tu já tem dema...
Quando ele falou sobre isso eu fiquei vermelho como se fosse a porcaria da camisa do Bulls* e ele também. Um silêncio caiu sobre nós e voltamos cada um ao seu banho.

Terminamos nosso banho e nos trocamos, fomos para o carro e ele ligou a música, o blues ajudou a dar uma quebrada na tensão que estava ali e voltamos a conversar aos poucos até chegarmos à universidade. Combinamos o horário em que voltaríamos para casa e cada um seguiu seu caminho. Tentei passar o dia sem pensar nele, mas não deu, o sorriso dele, o jeitão marrento e mandão, suas brincadeiras, a forma de se preocupar comigo e também o “elogio” sobre minha bunda e minhas pernas... De vez em quando eu parava e olhava para elas, sempre me pareceram comuns, vai ver é porque são minhas.

Enfim estabelecemos uma rotina ao longo da semana, acordávamos as 6- isto é, eu acordava as 6h e ligaria para tirar o urso de sua hibernação, quando fosse as 6h20 eu ligava de novo para brigar com ele por não ter acordado e começávamos uma discussão sobre ele ser irresponsável e eu ser cri cri demais com horários; as 7h10 ele chegava voando e íamos pra academia, saindo de lá as 9 e indo pra universidade;  a não ser nos dias que eu tinha aula as 8h pois aí ele ia me deixar na aula em questão e iria pra academia, conversávamos por WhatsApp e à noite nos encontrávamos e íamos para um barzinho com o pessoal ou pra casa mesmo.
Passamos a estudar juntos nos fins de semana e em alguns horários livres, eu era feliz assim, estava próximo dele sempre e numa distância que era confortável para ele, houve situações parecidas com a do banheiro, não há como negar, mas elas facilmente passariam por uma brincadeira mais ousada, então não alimentei esperanças. mas isso foi até que eu me desse conta que eu o amava de verdade e que não poderia viver desse modo, ele tomava conta de mim e eu fazia o mesmo por ele, ele me protegia e me confortava, eu era seu porto seguro, organizava seus horários, lhe dava bronca por não comer direito e por gazear aula às vezes, ele por sua vez me ajudava nas matérias difíceis, me protegia de alguns alunos mais maldosos e me passava o macete de como lidar com alguns professores, éramos um casal, só não admitíamos isso. Eu não podia suportar mais aquilo e me decidi: Na volta pra casa de hoje eu iria pôr os pingos nos “is”.
Entrei no seu carro como sempre, ele ligou o som e começou a dirigir e a contar seu dia, no meio do caminho eu desliguei o som e olhei para ele.
- Wudson, precisamos conversar.
- Olha só ele... todo mandão, mexendo no meu som e todo enfezadinho... o que foi aconteceu com você hoje?
- Wudson, eu vou ser o mais direto e simples possível: o que eu e você temos vai além de uma simples amizade, eu... eu te amo Wudson e você sabe disso, assim como eu sei que você me ama e se tentar negar isso eu puxo o freio de mão e desço do carro, foda-se o resto, nunca mais olharei na sua cara e...
Enquanto eu falava, o rosto dele pareceu congelar e assumir uma expressão que eu não conhecia... Medo? Culpa? Não sei, mas tudo isso passou pela cara dele enquanto eu falava, foi então que me arrependi das minhas palavras, eu não poderia pedir a alguém para aceitar isso, é algo muito grande e pesado, é uma responsabilidade que nem todo pode ou tem coragem de carregar. Era uma noite fria e os carros passavam por nós, os barulhos da rua entravam no carro, mas era como se fossem o eco de uma realidade distante. Enquanto eu continuava a pensar isso a expressão no rosto dele mudou, de medo, foi pra pensativo e então para um balançar de ombros como se dissesse “que se foda essa porra toda” e num rompante ele me beijou, um beijo faminto e carinhoso, como se ansiasse aquilo há muito tempo, mais do que poderia suportar.

Nos beijamos e nos abraçamos, eu chorei, de felicidade, pois era verdade, tudo que eu sempre quis estava ali na minha frente, alguém para me amar e me aceitar, alguém que precisasse de mim assim como eu precisava dele, nos encaramos e sorrimos, ficamos a nos admirar por um tempo indefinido, até que finalmente ele ligou o carro e me deixou na porta de casa. Num último beijo ele me segura pelas mãos, me olha nos olhos e me pergunta:
- Ei calouro... qual é o seu nome?
Eu sorrio e respondo pra ele, o que eu queria dizer desde o primeiro dia do trote:
- Fernando.
Dito isso entrei em casa, fechei a porta e fiquei olhando pela janela ele ligar o carro e ir embora.









Tendo Dito isso eu me 
retiro para dormir,
 mas não sem antes
Agradecer ao meu
 Super Revisor o Saito
e a vocês, meu público.

Com Carinho e amor 
Seu Lorde 

38 comentários:

  1. Que perfeito...
    "O Veterano" é de longe o conto que mais me agrada, o desenvolvimento da relação dos dois é tão natural, o que torna o conto mais profundo e real.
    Um trabalho excepcional, como esperado de meu Lorde! Seus contos conseguem me prender a atenção de uma maneira incrível, aguardo ansiosamente o próximo conto. De seu grande fã, Lu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. He e e e... o Lord é meu!
      rsrs

      Excluir
    2. Eu sou de ninguém... Eu sou de todo mundo e todo mundo me quer bem

      Excluir
    3. E Muito Obrigado Lu Kun pelo elogio e pelo Incentivo

      Excluir
  2. Ele bem que poderiam estudar na UNA, talvez eu fosse o "Fernado" da sua hitória... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    E depois, da estação Vila Oeste para o Eldorado não é muito longe, não é mesmo =D!?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena que eu conheço BH só de mapa XD

      Excluir
  3. Teve alguns momentos q chegou a dar raiva do jeito grosseiro do veterano kkkkk mas depois ele tomou uma atitude muito fofa na hora q o Fernando se confessa xD Lord Bear como sempre me impressionando nos contos :3 AAA Por favor, me diz que vai ter continuação!!! esse conto não pode ter terminado ai!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual é a graça de amar todos os personagens o tempo todo?
      A vida real não é assim.
      Não é Zoro?
      Mesmo as pessoas que amamos nos fazem raiva de vez em quando
      XD

      Excluir
  4. Lord, ficou muito maneira essa segunda parte. E eu que achava que teria um final triste... Confesso que adoro finais felizes, acho que a vida já tem problemas demais pra curtir tristeza e finais tristes só me agradam esporadicamente.
    E... quando você descreveu a "ferramenta" do Wudson... deu pra imaginar perfeitamente ela balançando durante o banho do ursão. XP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio a minha ferramenta... ops.. a Ferramenta do WUDSON...
      a minha não.. a dele...
      ¬//////¬

      Excluir
    2. :O Lord.... Agora eu que fiquei ¬//////¬ hahahahaa
      Então já que estamos fazendo revelações... saiba que você recebeu uma "homenagem", daquelas no capricho. Opa... você não, o Wudson. Aquela parte dizendo que a pele ficava cobrindo parte da cabeça... a veia saltada, foi demais pra mim!
      Mas... que pena que é a ferramenta do Wudson e não a sua! XD
      Se quiser trocar uma ideia... jhyta2001@yahoo.com.br

      Excluir
    3. Add o perfil do g+ ...
      daí a gente conversa pelo hangout

      Excluir
  5. Ficou muito bom,espero que tenha mais ;)

    ResponderExcluir
  6. vontade de surrar o Wudson. Applause pro Fernando, pois eu não tenho sua corragem rapaz!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. #Applause
      #Fernando
      #OusarCausarOusar

      Excluir
    2. My name is Fenando Gaga, sei que sou ousada, applause ae!!

      Excluir
  7. muito muito muito bom! *o*

    ResponderExcluir
  8. Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh' ahhhhhhhhhhhhhhh' Simplesmente o cúmulo da perfeição Tu se supera #TEOP7

    ResponderExcluir
  9. MELHOR CONTO ERÓTICO Q EU JÁ LI NA VIDA TODA! Lorde amei esse seu conto <3 .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Relaxa Ray... nem chegamos nos finalmente...
      Você é precoce hein ??

      Excluir
    2. Eu precoce? Que nada. Imagina, que loucura vc dizer isso :) sou bem lerdão mesmo

      Excluir
  10. Oi...
    Oi Lord, tudo bom?

    O Wudson têm WhatsApp, e você? Quer tc? rsrs


    HA ursos, ursos... porque são tão perfeitos???
    Adorei essa segunda parte. Apesar de que eu achava de que esse desenvolvimento para algo a mais fosse acontecer somente em uma terceira parte.
    Tem que ter continuação. Pelo menos mais uma, que vá pros finalmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Armand... tudo ótimo...
      Principalmente por ter fãs como você ^^
      Obrigado pelo Elogio e pelo incentivo man...
      e sim irá ter uma parte 3...
      Como falei no "O Veterano" parte 1, talvez, Muuuuuuuuuuuuuito talvez, vire uma série...
      "O veterano e O calouro"
      XD dá pra imaginar??
      E sim... Este Lord tem um Whats, mas não posso lhe disponibilizar.
      Sorry man... Se mesmo assim quiser tc, cria uma conta gmail e conversa pelo chat de lá
      Já tenho algumas pessoas add que converso por lá tb

      Excluir
  11. Me diz que não acabou, por favor. kkk
    Muito boa a segunda parte. Achei que ele ia ser rejeitado quando se confessou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não Vítor... Não acabou
      u.U
      minha nossa... meus fãs são tudo de 7 meses...
      Armaria... Nãm...
      vai ter a parte 3 Vítor :p
      e obrigado por sempre estar aqui comentando e participando do blog.
      E claro... comentando meus contos
      XD

      Excluir
  12. Lord, você é um filho da mãe que sabe usar muito bem as palavras! HAHAHAHAHA
    Adorei a história, sério mesmo. Obrigado por criar e passar pra gente esses contos tão envolventes e maravilhosos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Luiz
      na Verdade, você é que me honra, dedicando uma parte do seu tempo
      aos meus contos.

      Excluir
  13. Muito bom, essa história em parte cada um de nós já viveu ou viverá e isso a torna muito interessante, saber que de repente podemos encontrar o cara da nossa vida ao entrar na faculdade, academia, curso, emprego ou qualquer lugar!

    Garotodorio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas essa é a proposta que eu trouxe na minha apresentação
      Garoto
      hahaha
      Pegar os fetiches do mundo real, e faze-los real, pelo menos aqui.

      Excluir
    2. Que bom Lord, gosto de contos que sejam próximos a realidade, fantasia é bom, mas pé no chão é muito melhor.

      Garotodorio

      Excluir
  14. oi desculpa mas vcs podiam traduzir esse Furry e muito importante pra min por favor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://myreadingmanga.info/maririn-brothers-arms-english/ esqueci de deixar o link

      Excluir
  15. Seria interessante o conto em uma HQ, mas, mesmo assim, eu adorei o conto, eh tão real, eu senti todas as emoções dos 2, eu amei de vdd xD

    ResponderExcluir
  16. to preso a esse conto agora...amei demais...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
+CONTEÚDO

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Copyright (c) 2012 B de Bara
DESIGN BY OCARNEIRO